Presépio entalhado com motosserra

Há já alguns dias que os transeuntes que passam pelo Largo dos Chorões reparam no surgimento de algumas peças que formam um presépio há medida que alguns troncos de madeira vão sendo trabalhados. Há uma manjedoura com um Menino Jesus deitado, uma Nossa Senhora com um ar tímido e contemplativo e um São José a iluminar o espaço com uma lanterna bem erguida .

As ferramentas usadas pelo artista são motosserras essencialmente. Maiores, mais pequenas, bem afiadas e manejadas por quem se entende que as domina bem. Os acabamentos são efetuados com outros aparelhos, elétricos, que arredondam, aperfeiçoam, lixam, alisam e furam.

O Jornal de Monchique foi falar com a pessoa que se vê a trabalhar e que se apresentou como Nelson Ramos, residente em Marvão embora natural de Faro. Foi convidado pelo Município para vir esculpir um presépio em madeira dado ser entalhador de profissão e ter na internet alguma divulgação de trabalhos anteriores. É entalhador de profissão, tem experiência em restauro, em talha religiosa e civil, primeiro com ferramentas manuais e desde 2013 a usar motosserra para estas intervenções como a que está a desenvolver em Monchique.

Confidenciou que o projeto se forma na sua cabeça mas às vezes a madeira influencia o trabalho final, que sai de uma outra forma, sempre melhor. A madeira surpreende-o pela positiva enquanto vai retirando o que está a mais no tronco. Trabalha com qualquer espécie de árvore mas sempre com um princípio. Nunca usa árvores vivas que tenham sido abatidas para ele esculpir chegando a recusar trabalhos por essa mesma razão.

Normalmente a madeira mais mole é mais fácil de trabalhar e provoca menos desgaste no equipamento e no combustível. Já lhe tem sido proposto o eucalipto, por exemplo, mas este depois de secar racha com muita facilidade pelo que corre-se o risco de inutilizar o objeto produzido.

Em Monchique tem utilizado pinheiro e que resulta bem. Só foi contratado para fazer as três peças principais mas depois produziu também uma ovelha. Como tem havido o Mercadinho de Natal e a esposa faz croché têm um pequeno espaço de venda onde também estão algumas pequenas peças suas entalhadas e aceita propostas de trabalho.