O Furo

Quando um jornal, ou outro órgão de comunicação social, tem uma notícia ou reportagem para publicar antes de qualquer outro, é usual classificá-la de furo, furo jornalístico. Trata-se de uma notícia virgem. Pode não ser daqui que, em gíria, o termo furar toma o significado de fazer perder a virgindade, mas há várias circunstâncias em que um furo aparece associado ao fator surpresa, tal como acontece com o furo de um pneu ao surpreender o automobilista.

Surpreendente foi também o furo feito lá para os lados de Aljezur que alegadamente seria para captar água, mas que, tendo-a encontrado, continuaram a furar centenas de metros, à procura de petróleo, dizem outros. E ainda por cima às escondidas, um furo daquele tamanho às escondidas dos autarcas, como se fosse um simples furo para pôr piercing em local íntimo. Contudo, as prospetoras menosprezaram o furo, como fosse só um furinho, do tipo de fuinho que é um buaquinho na paede.

Não sendo uma brincadeira de crianças, seria um grande, mesmo um grande buraco, que é como quem diz um grande furo, descobrir-se petróleo no Algarve. Grande e bom para quem o explora, as grandes empresas do setor. Mas mau para a economia da região, sustentada no turismo, que veria diminuir-lhe a procura. As pessoas que vivem no Algarve ficariam com as suas vidas furadas.

Isto é como quem, tentando a sorte, faz um furo à espera que lhe saia a bola dourada e o que ganha é um tostão furado.
Como toda a gente sabe, há casos em que furar ou ter um furo é doloroso e outros em que dá prazer, como ter um furo de tempo livre em tempo de aulas.

Vamos lá ver, neste caso dos furos no Algarve, o que os furos da lei nos reservam…