Monchique emprega jovens com deficiência ou incapacidade

A Câmara Municipal de Monchique (CMM) candidatou-se ao Programa «Contrato de Emprego-Inserção para Pessoas com Deficiência e Incapacidade» e empregou cinco jovens, com o objetivo de lhes proporcionar o desempenho de atividades socialmente úteis.

Esta medida, realizada em parceria com o IEFP, teve início em dezembro de 2015 e permitiu a admissão de dois jovens do sexo feminino e três do sexo masculino. O projeto terá a duração de um ano e os participantes auferem o valor do Indexante dos Apoios Sociais (IAS) mais o subsídio de alimentação.

O «Programa Municipal para a Inclusão Ativa» pretende facilitar e promover a integração socioprofissional dos jovens com deficiência ou incapacidade, assim como apoiar a qualificação e o emprego destas pessoas.

A CMM explica que «este plano resulta da necessidade de dar uma especial atenção a uma situação que representava, quer para os próprios, quer para as suas famílias uma grande preocupação pelo fato de ainda existir muita relutância por parte das empresas em admitir pessoas com este tipo de características, levando à sua inevitável marginalização, não só do mercado de trabalho como também da sociedade onde residem».

Rui André, presidente da CMM, considera que «não há melhor forma de integração do que através de uma ocupação ou de um emprego», uma vez que o seu objetivo é «que as pessoas se sintam bem e felizes». O autarca entende a importância deste tipo de medidas para a inclusão da população mais jovem e defende que «é fundamental que as pessoas se sintam úteis», pelo que «queremos que este exemplo constitua também um despertar para outras instituições e empresas neste capítulo, no qual ainda há um caminho grande a percorrer no sentido de construirmos uma sociedade mais justa e inclusiva».

As parcerias entre o Centro de Emprego e o Município de Monchique têm permitido a formação, a manutenção e a ocupação socioprofissional de cidadãos inscritos naquele instituto que, recentemente, integrou vinte pessoas que se encontravam na situação de desemprego, as quais estão neste momento, «a realizar trabalhos de silvicultura preventiva e limpeza de terrenos e vias de circulação e manutenção das faixas de gestão de combustível», acrescenta a CMM.