Festival Verão Azul chega a mais cidades e a mais público

Logótipo

O Festival Verão Azul está de regresso ao Algarve para a sua sexta edição, mas este ano em novo formato, pois irá estender-se ao sotavento e realizar-se em dois momentos distintos, primeiro em Lagos e Portimão, entre os dias 15 e 25 de outubro e depois em Loulé e Faro entre 14 e 28 de novembro.
Organizado pela associação cultural casaBranca, o Festival Verão Azul pretende promover e difundir a criação artística contemporânea nacional e internacional do Algarve, pelo que a sua programação é constituída por um conjunto diversificado de atividades como espetáculos de artes performativas, concertos, cinema, vídeo-arte e ainda um espaço dedicado ao público infanto-juvenil, que receberá filmes e uma oficina de experimentação artística na área da música e imagem.
A sexta edição do festival arranca já no próximo dia 15 de outubro, no Teatro Municipal de Portimão (TEMPO), com a apresentação da peça «Só há uma vida e nela quero ter tempo para construir-me e destruir-me», de Ana Borralho e João Galante, realizada e interpretada por um grupo de alunos de uma escola secundária daquela cidade, mas até final de novembro estão previstas muitas outras iniciativas que prometem animar miúdos e graúdos.
Segundo a organização do evento, «as propostas da edição de 2015 passam ainda pela apresentação das novas criações de Pablo Fidalgo Lareo e da dupla Vera Mota e Pedro Augusto, no Centro Cultural de Lagos e de Mónica Calle, no Cine-Teatro Louletano e da Companhia Caótica e do Teatro de Ferro para o público mais jovem, em Lagos e Portimão respetivamente». Haverá também «concertos de Marçal dos Campos na Galeria LAR de Lagos e de Perigo Público e Allen Halloween no TEMPO e cinema com a exibição dos filmes realizados pelos portugueses André Príncipe e João Nicolau, assim como do filme de animação «O Mágico», de Sylvain Chomet, destinado ao público jovem (escolar e familiar)».
Uma das novidades deste ano no Festival Verão Azul é o «Fuso – anual de vídeo-arte», no qual são esperadas nove curtas originais que serão exibidas em sessão contínua no Centro Cultural de Lagos e também no Laboratório de Atividades Criativas (LAC). Já à cidade de Faro, que terá a sua estreia neste evento, chega o Atlas Faro, «um espectáculo que reúne em palco 100 pessoas de diferentes profissões e que chega pela primeira vez ao Algarve, naquela que é uma co-produção do Festival Verão Azul com o Teatro das Figuras», acrescenta a associação casaBranca. Este trabalho, que já esteve em digressão por várias cidades de Portugal, Europa e Brasil, chega agora ao sul do país, onde procura «reunir 100 pessoas desta comunidade para integrarem este projecto singular», cujo convite à participação está aberto, sendo o único requisito «a vontade e disponibilidade para uma semana de ensaios antes da apresentação no dia 21 de novembro».
O alargamento do festival a mais cidades e a mais público deve-se ao facto da organização ter o objetivo de «investir na intensificação e amplificação das relações com as comunidades intermunicipais e no fortalecimento do eixo Barlavento – Sotavento», razão pela qual este ano o evento «assume um formato mais dilatado no tempo e no espaço».
Para mais informações e programação detalhada, consulte a página da internet www.festivalveraoazul.com.