Dona Melosa

Melosa és muito formosa mas
sempre andaste a enganar-me,
de braço dado com o mel e
com o medronho a embebedar-me.

Por entre perfumes de canela,
o teu feitiço vem de mansinho,
com mil artes e sabores,
recordas-me o monte maninho.
E para te pores mais ao jeito,
sem percalço ou condição,
trocas o passo à aguardente,
escondes-te no travo do limão.

Mas se pensas que me iludes,
lá por seres tão estouvada,
eu já vi muita donzela
andar com a vida trocada.
portanto,

Melosa põe-te a preceito,
dá-me é mais gosto ao paladar
e, pelo mal que tens feito,
vamos os dois já brindar