Ciconia ciconia

Pela manhã abro a folha de cálculo,
para registar mais uma fatalidade:
processos que entram,
processos que saem;
mas a vida não é esta certeza cinzenta
fundada em betão,
este peso depositado em valas,
em células mal formatadas,
são pólenes, estames, asas que se elevam
noite e madrugada adentro,
o grácil planar de uma ave,
que espera, presa ao azul
sobre o sapal,
e tudo num ápice desce à secretária,
ao fundo reservatório da incúria,
à ínfima célula excel sem brilho:
cegonha decapitada sobre asfalto,
essa ocorrência a dar entrada,
por indicações departamentais,
sem falta, até às nove e vinte
do dia que acaba de morrer.