Alegado incendiário fica em prisão preventiva.

O homem que foi apanhado na Foia, a atear fogo por dois militares da GNR, que estavam de folga,  foi  esta tarde presente a tribunal e ficou a aguardar julgamento em prisão preventiva.

O alegado incendiário é natural de Vila Real de Santo António e atualmente reside no concelho de Loulé, onde trabalha como barmén, na Quinta do Lago. Tem 49 anos e é alegadamente responsável  pelos incêndios de Monchique – Caldas, e Foia – e pelo incêndio do Porto de Lagos que deflagraram no passado sábado, dia 3 de setembro.

Foi precisamente o incêndio da Foia que mais trabalho deu aos bombeiros, onde estiveram cerca de 400 operacionais, com apoio de helicópteros e aviões.

Durante o dia de hoje tem existido alguns reacendimentos, como o de manhã na zona da Santinha, no entanto, no site da Autoridade Nacional de Proteção Civil, a ocorrência está dada como concluída, permanecendo de prevenção 285 operacionais, 100 meios terrestres e dois meios aéreos que fazem descargas pontuais se existirem reacendimentos.