Entrevistas sobre o filme «Medronho todos os dias»

DSCN1737

Entrevista Fernando António

(Produtor de medronho)

«Sinto-me em casa quando estou a ver aquela parte noturna do filme»

O filme está muito bem conseguido e demonstra, muito bem, o processo de fazer aguardente e a austeridade da serra de Monchique.

Tem pormenores muito interessantes como o trabalho solitário e de paciência  do destilador ou a apanha que é feita em terrenos muito acidentados.

Gostei muito da parte do convívio, das histórias contadas e dos diálogos que se passam nas destilarias.  No entanto, o que mais me impressionou foram os silêncios, à noite. Sinto-me em casa quando estou a ver aquela parte noturna do filme. O piar da cruz, a falta de movimento dos carros…  Nós estamos nas profundezas da serra, na parte agreste, distante..

Superou as minhas expetativas, todavia o filme não vai ensinar a quem não sabe, a fazer medronho. Dá uma ideia superficial , porque não faz uma sequência. Não tem um sucessão lógica que leve a pessoa a identificar como se faz todo o processo…

Entrevista em vídeo AQUI.

Entrevista Orlando Pincho

(Produtor de medronho)

«As pessoas não sabem o trabalho que aquilo dá»DSCN1727

Gostei do filme, mas achei que deveria ter sido mais esclarecedor.

A parte que gostei mais foi a do princípio, a do nevoeiro com o barulho dos passarinhos a cantarem.

A imagem que me ficou foi a da destilaria.  No entanto, a apanha também é interessante,a apesar de não se ver pouco o fruto.

Acho que o filme para quem não conhece é engraçado . Fica com uma pequena ideia do que se passa . A parte da destila não é muito esclarecedora para quem não conhece. As pessoas não sabem o trabalho que aquilo dá e como se fazem as coisas. E o filme não mostrou bem essa parte.

[No final, a parte do convívio, de beber o medronho] fica sempre bem e é sempre bom em cima de uma boa refeição.

Entrevista em vídeo AQUI.

 

Entrevista Vítor Abel

(Consumidor e apreciador de medronho)

«Muito mais haverá para dizer sobre o medronho, mas estão lá as cenas básicas»DSCN1732

Gostei do filme e a minha opinião é muito positiva. Ainda bem que alguém teve a feliz lembrança de fazer um filme sobre um dos produtos mais marcantes deste concelho.

Muito mais haverá para dizer sobre o medronho, mas estão lá as cenas básicas .Talvez se tivesse outra disposição fosse mais elucidativo. Por exemplo, o filme começa com uma destila e aqui, para nós, isso é o fim do processo.

Gostei também da [naturalidade] das pessoas , parecia que não sabiam que estavam a ser filmadas.

O medronho é para mim das poucas bebidas que até hoje não se alterou no fabrico. Faz-se agora com as mesmas técnicas que se fazia há séculos, apesar de estar muito mais apurado. Creio que quando consumido com moderação, não fará mal a  ninguém. E é das poucas bebidas que conheço, ou talvez mesmo a única, que de uma ponta à outra do processo não leva qualquer químico. Transparece isso logo pela a apanha…[o medronheiro] é  criado num meio completamente selvagem.

Entrevista em vídeo AQUI.