2.º etapa da Volta ao Algarve acaba amanhã na Fóia

A Volta ao Algarve em Bicicleta regressa à estrada entre os dias 17 e 21 de fevereiro de 2016 para a sua 42.ª edição e promete uma competição emotiva até ao último minuto. Com um total de 756,6 quilómetros, divididos por cinco etapas, a prova apresenta, segundo a Federação Portuguesa de Ciclismo (FPC), entidade organizadora do evento, «um percurso com oportunidades para todo o tipo de corredores, mas privilegiando os ciclistas completos na luta pela camisola amarela final». A primeira e quarta tiradas dão oportunidade a roladores e sprinters, a segunda e quinta são excelentes para os trepadores, uma vez que acabam em alto, e a terceira coroa o corredor mais rápido do contrarrelógio.

A primeira etapa, que fará uma ligação de 178,6 quilómetros entre Lagos e Albufeira, terá uma subida de terceira categoria na Serra de Espinhaço Cão e uma primeira passagem pela meta a 45 quilómetros do final.

Alex Zülle (Team Coast) venceu, em 2002, a etapa da Volta ao Algarve que, nesse ano, terminou no alto da Fóia. Catorze anos depois, o ponto mais alto do Algarve regressa à competição, este ano para receber o pelotão no final da segunda etapa. «A viagem terá 200 quilómetros, unindo Lagoa à Fóia, num itinerário com um acumulado de 3845 metros de subida», cujas «dificuldades estão guardadas para os derradeiros 67 quilómetros, encadeando quatro escaladas: Marmelete, Picota, Pomba e Fóia», explica a organização.
O terceiro dia de prova é destinado aos contrarrelogistas que, ao longo de 18 quilómetros, com partida e chegada em Sagres, terão a oportunidade de recuperar o terreno perdido na véspera.

Tavira irá receber o pelotão no final da quarta tirada, após terem sido percorridos 187,3 quilómetros desde São Brás de Alportel. Esta fase da competição é indicada para os sprinters que terão de enfrentar algum sobe e desce no decorrer da primeira metade da etapa.

À semelhança de anos anteriores, a derradeira etapa da 42.ª Volta ao Algarve terminará no Alto do Malhão, em Loulé. O tiro de partida será dado em Almodôvar e os corredores irão percorrer 172,7 quilómetros até alcançarem a meta. A organização acrescenta que «haverá uma primeira passagem pelo Malhão, a 45 quilómetros da meta, seguindo-se um percurso tortuoso, com uma sucessão de subidas curtas e íngremes, lembrando as clássicas primaveris, antes da última abordagem aos 2,5 quilómetros com inclinação média de 9,4 por cento do Malhão».

Até ao momento já estão confirmadas 24 equipas, sendo que 12 competem no WorldTour, (Astana, Cannondale, Etixx-QuickStep, FDJ, IAM Cycling, Katusha, Lotto Soudal, Lotto NL-Jumbo, Movistar, Team Sky, Tinkoff e Trek-Segafredo), seis no Continental Pro (Bora-Argon 18, Caja Rural-Seguros RGA, Gazprom-Rusvelo, Novo Nordisk, Roth e Verva ActiveJet) e seis no Continental (Efapel, LA Alumínios-Antarte, Louletano-Hospital de Loulé, Rádio Popular-Boavista, Sporting-Tavira e W52-FC Porto).
Tony Martin (Omega Pharma-QuickStep), em 2013, Michal Kwiatkowski (Omega Pharma-QuickStep), em 2014 e Geraint Thomas (Team Sky), em 2015, foram os últimos vencedores da Volta ao Algarve, pelo que «só um ciclista completo poderá aspirar a suceder ao galês e candidato a manter o trono em 2016», prevê a FPC.