Ryanair doa 250 mil euros para «Renaturalizar Monchique»

Ryanair, a companhia aérea n.º 1 na Europa, fez no dia passado dia 22 de outubro um donativo de 250 mil euros para a renaturalização da serra de Monchique como parte da sua iniciativa para compensar as emissões de carbono. Esta verba, obtida através dos donativos dos passageiros, irá financiar a plantação de milhares de árvores destruídas pelo incêndio de 2018.

O CEO da Ryanair, Michael O’Leary, confiou um cheque de 250 mil euros aos parceiros do projeto – Região de Turismo do Algarve, Grupo de Estudos de Ordenamento do Território e Ambiente (GEOTA), Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) e Câmara Municipal de Monchique –, demonstrando o compromisso da Ryanair com a região do Algarve e o meio ambiente.

Rui André, presidente da Câmara Municipal de Monchique, abriu a sessão, que decorreu no Alto da Foia e admitiu que «a floresta, a sua gestão e planeamento, bem como a forma como as pessoas se relacionam com o seu território rural e florestal serão, sem dúvida, o grande desafio para o nosso futuro coletivo. As alterações climáticas que nos fazem olhar para o futuro com grande apreensão exigem alterações profundas no quotidiano de todos, buscando um equilíbrio de carbono, para o qual o papel essencial de nossa floresta será fundamental. O desafio é global, mas a necessária relação entre legisladores e sociedade civil, aliada à responsabilidade social das empresas, ao conhecimento científico e às populações locais, fazem de projetos como este uma contribuição de valor inestimável para a mudança necessária. O incêndio de 2018 é uma oportunidade desafiadora para desenharmos uma nova paisagem, produtiva e ambiental, mas também para permitir ao homem viver em harmonia e segurança, num ambiente mais resiliente que continua a fazer de Monchique um verdadeiro jardim, mas acima de tudo o pulmão da região do Algarve.»

Já para Michael O’Leary, sublinhou que «a Raynair, a nossa equipa e os nossos passageiros estão orgulhosos de colaborar nesta iniciativa de reflorestação na zona de Monchique, no Algarve. Milhares de hectares de floresta foram destruídos pelo incêndio em 2018. Estamos muito felizes de doar esta verba para ajudar a restaurar as florestas da região e a beleza natural única da serra de Monchique.»

Seguiu-se Marlene Marques, presidente da GEOTA, que declarou «[que] o compromisso do setor privado oferece à sociedade civil a oportunidade de apoiar o restauro de habitats florestais importantes e únicos nas áreas devastadas pelo incêndio de Monchique. Renaturalizar Monchique ajudará a restaurar as paisagens culturais desta área, um importante destino turístico nacional e internacional. Assim, congratulamo-nos com o apoio da Ryanair e dos seus clientes nesta iniciativa, ao devolvermos os habitats vitais a esta área, não apenas para as espécies que florescem nesses habitats, mas também na recuperação das matas, das florestas e da vegetação que cresce à beira dos rios, que elevam a importância cultural deste local. Ao fazer isso, a Ryanair está também a contribuir para que a autarquia local atinja os seus objetivos de desenvolvimento sustentável das Nações Unidas, ao prevenir a maior degradação do solo e ao apoiar os esforços de mitigação das alterações climáticas pela captura de dióxido de carbono através da plantação de árvores.»

«Sendo uma região internacionalmente mais conhecida pela excelência das suas praias e campos de golfe», João Fernandes, presidente da Região de Turismo do Algarve, garantiu que «o compromisso com a natureza assume a cada ano que passa maior importância na valorização turística do Algarve». Por isso, aplaudiu «o compromisso da Ryanair e dos seus passageiros com a renaturalização da Serra de Monchique, cujos habitats florestais foram devastados pelo fogo em 2018. Sem a vontade de todas as partes envolvidas – GEOTA, ICNF, Município de Monchique e Turismo do Algarve, além da Ryanair – não seria possível promover o restauro ecológico da terra e das florestas de Monchique em harmonia com o restante território do Algarve, que no seu todo continua a ser o principal destino de férias em Portugal.»

Por último, Castelão Rodrigues,  diretor regional da Conservação da Natureza e Florestas do Algarve (ICNF), também parceiro no projeto, esclareceu que «a floresta representa 3% do Produto Interno Bruto (PIB) português» e congratulou-se pelo «Renaturalizar Monchique» lembrando que «os turistas que vêm passear para o Algarve também querem ver a biodiversidade da região».

 

Veja mais fotos aqui.

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *