Rojões à moda do Minho

Ingrediente (6 pessoas): 800g de carne de porco, 300g de entremeada, 200g de fígado de porco, 4 dentes de alho, sal e pimenta q.b., 1 pitada de cominhos, 1,5kg de batatas, 1 ou 2 cebolas, 300g de sangue de porco cozido, 2 dl de vinho verde branco, 2 folhas de louro, 30g de banha e salsa.

 

I

Em recipientes separados,

Vai, com especiarias, temperar,

A carne e o fígado, já cortados

Que, em vinho, deixa a marinar.

II

Umas horas, para um gosto a contento,

Deve, tudo lá permanecer,

De sal, também não fica isento,

Enquanto, outras coisas, vai fazer.

III

O toucinho, em pequenos pedacinhos,

Leva à caçarola p’ra alourar,

E, enquanto eles ficam tostadinhos,

Veja, a gordura, aumentar.

IV

Terminada que está, a operação

De fritar toda a entremeada,

Reduza, para o mínimo, o fogão,

P’ra fritar a carne marinada.

V

Uma hora, ou mais, ainda,

Vai levar a terminar esta função,

Mas, antes que a tarefa dê por finda,

Precisa de mexer com devoção.

 

 

VI

No mesmo molho, mas em fases separadas,

O fígado que esteve a temperar,

E as cebolas, em rodelas, já cortadas,

Vão, também, ao lume, p’ra fritar.

VII

No entanto, a cebola, deve ser,

A última a, na caçarola, entrar,

Para, depois, o sangue, receber,

Depois de, com jeito, o esfarelar.

VIII

As batatas, com pele, já cozidas,

Serão, assim que descascadas,

Em rodelas médias bem partidas,

E, à volta do rojões são colocadas.

IX

Na travessa, os rojões, já colocou,

O fígado e as batatas, também estão,

O sangue e a cebola que alourar,

Por cima, de tudo, ficarão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *