Protocolo disponibiliza 1,1 milhão de euros para recuperação das linhas de água nas áreas afetadas pelos incêndios

O Ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, esteve hoje, dia 20 de agosto, em Monchique, para a assinatura do protocolo para recuperação das linhas de água afetadas pelo incêndio de agosto de 2018 nos concelhos de Monchique, Silves e Portimão.

João Fernandes considerou que «a rede hidrográfica é, de facto fundamental, para a qualidade do território» e que são necessárias intervenções «orçadas provisoriamente, mas muito perto do seu valor final, em 1,1 milhão de euros».

Em causa está a possibilidade de «poder iniciar de imediato remoção dos sedimentos e outros materiais que estão no leito do rio,  a recuperação das secções de vazão e das passagens hidráulicas». Quanto às pontes, estas «têm de ser desimpedidas, para que «as águas possam correr livremente e minimizar as cheias e inundações», explicou. Estas intervenções representam, dentro do 1,1 milhão de euros disponibilizados, 160 mil euros.

A estimativa da área de intervenção é de 97 km da rede hidrográfica – 71 km em Monchique, 25 km em Silves e 1 km em Portimão – sendo que «tudo isto é financiado pelo Fundo Ambiental», referiu o ministro. Por agora «não conseguimos ter ainda o valor rigoroso destas mesmas intervenções, no entanto, com este protocolo, fica claro que podem iniciar-se já e que se estenderão por um prazo de um ano».

A promessa é de que «o Ministério do Ambiente irá assumir a responsabilidade financeira, ainda que ela possa variar ligeiramente em torno deste valor [1,1 milhão de euros] que aqui está fixado. Por isso, se dentro de um mês já tivermos estes valores mais rigorosos,  assinar-se-á um contrato tendo cada uma das autarquias e o Fundo Ambiental de imediato, na sequência dessa assinatura, metade do dinheiro previsto disponibilizado».

Para Rui André, presidente da Câmara Municipal de Monchique, o «Governo respondeu a esta expetativa, propondo uma intervenção para estas áreas que, para nós, é bastante benéfica». Acrescentou ainda que o protocolo «dá garantias para intervir já no terreno e para fazer muitas das ações que são necessárias e urgentes».

O edil afirmou que noutras áreas espera que «se possa fazer o mesmo, concretamente na estabilização de emergência das zonas próximas da rede viária», visto haverem «algumas árvores e pedras em situação de derrocadas».

Os membros do Governo seguem depois para o concelho de Silves, onde vão visitar o Centro de Reprodução de Linces Ibéricos, em Odelouca.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *