Primeira utilização do espelho de água da Barragem de Odelouca faz-se com prova de canoagem

O espelho de água da Barragem de Odelouca vai ser utilizado, pela primeira vez, no próximo dia 16 de outubro, com a realização do 1.º circuito de Odelouca S. Marcos da Serra – Alferce, em canoagem.

A prova, que ainda não se insere no campeonato nacional, tem como especialidade a maratona, num circuito de longa distância de acordo com os regulamentos da Federação Portuguesa de Canoagem. Conta com um percurso de cinco quilómetros para as categorias K1/K2 (veteranos B-C e infantis) e C1/C2 (séniores, juniores, cadetes) e de 10 quilómetros para K1/K2 (veteranos A, seniores, juniores e cadetes). Haverá ainda uma prova livre, destinada à população em geral cuja participação pode ser feita com qualquer tipo de kayak.

Os objetivos desta iniciativa, conforme adianta José Manuel Gonçalves, presidente da Junta de Freguesia de Alferce, são «dinamizar a modalidade nas duas freguesias (Alferce e São Marcos da Serra), e fomentar a utilização do espelho de água, por forma a dar a conhecer as potencialidades turísticas da região, nomeadamente a fauna e flora locais e as respetivas paisagens naturais, criando e desenvolvendo assim as apetências naturais para o desenvolvimento do turismo nesta zona geográfica». Assim, as zonas de público situam-se nas margens do espelho de água em toda a zona da Foz do Carvalho, entre as duas freguesias.

«Para o Alferce, tal como para São Marcos da Serra, esta prova significa uma ‘primeira porta’ que se entreabre com vista ao futuro desenvolvimento socioeconómico destas duas freguesias rurais. Antes da construção da Barragem de Odelouca – infraestrutura essencial para a sustentabilidade económica e turística de todo o Algarve – e especialmente durante a consulta pública da obra, foi considerada pelos então responsáveis políticos como um marco importante para o desenvolvimento das duas freguesias; obviamente todo isto apresentado com o intuito de obter-se o apoio das populações residentes para a realização da barragem», esclarece o autarca.

No entanto, acrescenta, que «passada a fase de consulta pública e construída a barragem, o que se verificou, infelizmente, foi exatamente o contrário do prometido, ou seja, as freguesias ficaram privadas de uma das suas regiões mais férteis e onde estavam fixadas as respetivas populações. Como se isso não bastasse foi criada nova legislação de proteção, tanto da zona do espelho de água, como de toda a bacia hidrográfica, transformando-se assim os nossos territórios em verdadeira reserva, sem que os principais interessados (residentes, proprietários e responsáveis eleitos) tivessem sido ouvidos e sem que tenham existido quaisquer contrapartidas para o nosso território».

Assim, o que se verifica atualmente, declara José Manuel Gonçalves, é que «a barragem serve para a sustentabilidade do ‘Algarve rico e desenvolvido’ e nós, freguesias, obviamente ‘mais pobres e subdesenvolvidas’ não estamos a usufruir da riqueza produzida no nosso território, ainda somos legalmente prejudicados com as restrições impostas, pelo que a realização desta prova significa o primeiro caminho para que se inicie novas e sustentáveis iniciativas com vista à implementação da justiça socioeconómica e do retorno prometido por quem de direito».

O espelho de água da barragem só pode ser utilizado durante esta prova, embora «a ambição das duas freguesias é que num futuro muito próximo, o plano de ordenamento da barragem seja alterado, tendo já existido contactos informais com as entidades respetivas», assegura o presidente da Junta de Freguesia de Alferce, para quem é «difícil de compreender como é que noutras barragens, como por exemplo, Castelo de Bode, que serve de abastecimento à região de Lisboa, se possa andar de barco com motores de combustão e na nossa barragem nem nos possamos banhar ou andar oficialmente de canoa». Todavia, admite, que «todos nós somos a favor da qualidade da água para o consumo humano».

O autarca questiona ainda se «vai aparecer algum investidor sem perspetivar o retorno respetivo, quando está regulamentado a proibição total de utilização do espelho de água, apesar do Plano de Ordenamento da Barragem e os PDM respetivos, apresentarem zonas de desenvolvimento turístico para a região envolvente ao espelho de água».
No entanto, José Manuel Gonçalves espera que com a realização desta prova «que vai trazer até àquela zona cerca de três centenas de participantes, mais as respetivas famílias e amigos» possam aparecer «bons investidores e que as entidades oficiais olhem para o espelho de água como uma alavanca socioeconómica da região».

Num futuro próximo estão previstas a realização de mais provas nomeadamente «na próxima primavera, que tentaremos inserir nos campeonatos regional e ou nacional», conclui.

As inscrições decorrem até dia 8 de outubro em http://provas.fpcanoagem.pt e castores.arade@gmail.com e têm o valor de 10€, que inclui seguro, almoço e t-shirt. O clube vencedor da pontuação coletiva será premiado com um K1, as três primeiras embarcações de cada categoria receberão medalhas e os seis primeiros clubes serão presenteados com troféus. A organização é da responsabilidade das freguesias de Alferce e de São Marcos da Serra e do Kayak Clube «Castores do Arade».

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *