Portimão faz “Render o Peixe”

A partir de outubro e até maio de 2017, o Município de Portimão apresenta o projeto Fazer Render o Peixe em Portimão, um ciclo de arte e gastronomia realizado no Museu de Portimão, no âmbito do “Programa 365 Algarve”, que conta a direção artística da associação Aspas e Parênteses e que é uma iniciativa conjunta dos Ministérios da Economia (com a Secretaria de Estado do Turismo) e da Cultura, financiada pelo Turismo de Portugal.

“Fazer Render o Peixe” é um projeto onde a arte contemporânea e a gastronomia se cruzam em torno do mar e cultura algarvia, propondo pela mão de artistas e chefs, de renome nacional e internacional, diferentes exposições, instalações artísticas e ações gastronómicas que prometem momentos de inesperada e criativa fusão entre sabores e artes visuais inspiradas na especificidade do território e riquezas marinhas da região.

O ciclo tem início no dia 27 de outubro, às 18h00, com a inauguração da exposição do artista Kwame Sousa, “Um Olhar Sobre o Peixe Seco”, e uma demonstração/ showcooking seguida de degustação, a cargo do chef André Magalhães.

Kwame Sousa é um artista natural de São Tomé e Príncipe, que durante a sua residência artística procurou inspiração nas comunidades piscatórias, guardiãs incansáveis dos saberes e sabores do Algarve, nomeadamente do método ancestral de tratamento e confeção de peixe (desde o litão e biqueirão secos até aos semi-desidratados carapaus alimados). No trajeto percorrido pela consciência de um povo relativamente às suas tradições e à inevitabilidade em aceitar as consequências do seu desaparecimento, o artista refere: “Interessou-me as pessoas, os objetos deixados para trás, as marcas e os sinais da sua utilização. Tal como descobertas arqueológicas, eles revelam muito sobre a identidade do povo algarvio.”
Na simbiose entre as artes visuais e a gastronomia o chef André Magalhães apresenta a recriação de um prato típico da região, Cataplana de Litão com Algas. Embora seja um peixe sem reconhecido valor comercial e usualmente considerado o “bacalhau dos pobres”, o litão tem uma forte tradição no Algarve, sobretudo em Olhão, onde as populações reconheciam a mais-valia desta espécie na sua conservação por secagem, o que permitia o seu consumo posterior, quando em momentos de escassez, geralmente no Inverno, o usavam, por exemplo, na Consoada em substituição do bacalhau.

Em contraponto às telas de grande formato do artista santomense também ficará patente até 18 de Dezembro o vídeo realizado por Tiago Pereira, com a colaboração de André Magalhães, primeiro episódio da série “Esporão & A Comida Portuguesa a Gostar Dela Própria”, dedicado precisamente ao litão, preparado pela mão deste chef, crítico e gastrónomo, parceria que antecipa a próxima dupla de Fazer Render o Peixe em Portimão, prevista para o dia 20 de Dezembro.

Nesta ocasião será ainda dada a conhecer aos visitantes a programação, que até maio trará ao Museu de Portimão mais exposições e momentos gastronómicos com assinatura de autor, instalação de trabalhos em pintura, escultura, fotografia e vídeo, a que se juntarão performances, jantares, demonstrações e ações promocionais dedicadas aos produtos do mar e da gastronomia regional algarvia.

Fotografia: Câmara Municipal de Portimão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *