O Nostálico

Finalmente realizou-se, nos moldes atuais, o 1.º festival do medronho em Monchique, separado da feira do Presunto!
Excelente iniciativa, excelente ideia de colocar o espaço “multibox” e só pecou por ter um reduzido espaço (há tanto tempo que podia ter sido considerado um pavilhão multiusos em Monchique)! Mas entende-se, dado tratar-se de uma 1.ª experiência. O medronho merecia há muito este destaque e espero sinceramente que este tenha sido o 1.º de muitos!
Depois nada como encontrar nestes eventos bons velhos amigos, muitos deles produtores deste líquido dos deuses! Até deu para invocar o Nostálico para falar de viagens realizadas a Évora e a Coimbra pelos alunos do 9.ºano da escola C+S de Monchique, nos anos de 1987 e 1988. Eu tive oportunidade de estar presente na 1.ª, e por certo que não foi pior a viagem a Coimbra dos meus amigos da geração de 1973!
Voltando ao medronho, deu para provar várias propostas dos nossos produtores, deste produto que um dia ainda vai fazer de Monchique, o mesmo que o whisky fez das “highlands” na Escócia. Infelizmente, não foi possível estar presente no congresso realizado no 1.º dia, mas ainda fomos a tempo de comprar algumas plantas do “Urbutus Unedo”. Venham mais festivais! Monchique e o medronho agradecem…
Sobre aquilo que se passa na política nacional apenas um pequeno comentário:

E assim se salva a pele de um político perdedor, que teria decerto a vida dificultada dentro do seu partido, por ter afastado o anterior líder, vencedor nas últimas eleições europeias, e sair derrotado nas últimas eleições legislativas quando um ano antes era-lhe pedida a maioria absoluta! Reconheço que se trata de um político profissional do melhor, ou pior, da nossa praça. Mas caso não colocasse as suas ambições pessoais à frente dos interesses Nacionais, podia perfeitamente assumir o seu papel de oposição credível como partido derrotado, mas com a força necessária para julgar a governação da coligação vencedora, sem maioria absoluta, ao contrário de se curvar perante partidos à sua esquerda com ideais europeus completamente antagónicos daquilo que o seu partido sempre defendeu! Enfim, não acredito que esta seja a melhor solução, até porque à boa maneira do que se fez no passado, aproximam-se tempos em que alguém vai acreditar que se podem fazer omeletes sem ovos…até quando?
De facto, anda tudo trocado! É indigitado um governo de um partido derrotado, e o Sporting está em 1.º lugar do campeonato nacional da 1.ª divisão, ou 1.ª liga como há muito lhe chamam. Para mim, será sempre campeonato nacional da 1.ª divisão como era designado na caderneta de cromos dos idos anos 80. Cromos que adquiria em carteiras de 5 na loja do “Avelarinho”.
Não querendo fazer nenhum comentário errado sobre o tema, não posso deixar de partilhar convosco a minha perplexidade por os refugiados da Siria, Iraque e Afeganistão preferirem correr os riscos de atravessar o mediterrâneo em botes de borracha ao invés de se deslocarem para locais mais próximos, como os Emiratos Árabes Unidos (Dubai, Abu Dhabi), também com falta de mão-de-obra, e ainda mais ricos do que a maioria dos países europeus! Cavalo de Tróia?
Despeço-me à velocidade de um pensamento para com as vítimas dos atentados de Paris. Animais! “Je suis Paris!”
E um abraço especial ao meu amigo Luis Laranjeira! Força amigo!