Les voyages: «descobrir o espaço público à luz da linguagem acrobática»

«Les Voyages», um espetáculo organizado pelo «Lavrar o Mar», vai decorrer nos dias 4 e 5 de maio, respetivamente, no Portinho da Arrifana, em Aljezur, e no Largo dos Chorões, em Monchique. O desafio passa por «descobrir o espaço público à luz da linguagem acrobática».

O espetáculo conta com 20 acrobatas que vão «à descoberta de como a sua linguagem artística pode refletir e re-interpretar o espaço público – um edifício, um bairro, uma paisagem – para oferecer a quem passa, um instante significativo, uma emoção particular, uma ‘ligeira distorção do real’», de acordo com a organização do projeto.

«Habitualmente é no interior de uma grande tenda que a magia do circo contemporâneo acontece. Neste caso, a poesia transborda para o espaço público. As ruas, as paisagens, os edifícios, os transeuntes, a cultura e os hábitos de vida locais, são palco e inspiração para uma proposta acrobática e coreográfica site specific, à medida de cada território no qual a trupe XY se infiltra», explica.

A recolha de «matéria prima» e descoberta de um «paraíso frágil» decorreu durante o mês de março, em Aljezur e Monchique, através de quatro elementos da companhia. Esse «paraíso frágil» é «composto por montanhas e oceano, chamas e ondas, medronhos e batatas-doces», que se refletem num «coro a muitas vozes e mil sotaques que traduzem um território em metamorfose, rico em diversidade, onde se transportam muitas camadas de memória e transpiram estórias».

O espetáculo pretende ser «uma odisseia circense fora do comum, fortemente sensorial e visual, que assenta na ideia propulsora de sermos portadores de memória: como nos transportamos, como somos transportados?. Quando alguém é transportado (ao colo), as suas sensações remontam, muito provavelmente, à infância. Há quanto tempo não somos transportados?», lê-se no comunicado.

A organização explica, ainda, que os espetáculos «são uma construção colectiva e silenciosa, em grande proximidade com as populações. Arquitecturas efémeras de corpos em equilíbrio, onde os encontros entre artistas e desconhecidos são solidários, frágeis e sentimentais».

Esta é uma produção da Cie XY e co-produção da Lieux Publics, National center for creation in public spaces (Marseille) – Le Phénix, European creative club (Valenciennes) – Le Boulon, National center for creation in public spaces (Vieux Condé).

A classificação etária é para maiores de 3 anos.

 

 

@Foto de destaque | Samuel Buton

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *