Just a Change chega a Monchique

O projeto Just a Change, que visa reabilitar casas através de voluntariado, chegou ao concelho de Monchique. A apresentação foi realizada no passado dia 13 de março, no salão nobre dos Paços do Concelho, onde estiveram presentes várias instituições e associações monchiquenses.

A iniciativa, com o lema «construir casas, para reabilitar vidas» assenta em «quatro pilares, nomeadamente: sinalizar famílias/infraestruturas carenciadas com o apoio das instituições e das câmaras municipais; mobilizar a população de um modo voluntário, sobretudo os mais jovens e reabilitar as casas e acompanhar as famílias beneficiadas após a reconstrução», explica António Bello, um dos responsáveis pelo projeto.

Antes de chegar a Monchique, o Just a Change, passou por outros concelhos do país como Óbidos, Ferreira do Alentejo ou Lisboa. Em declarações ao Jornal de Monchique a organização assumiu «que já há algum tempo que tinha interesse em atuar no Algarve».

Desde o início do programa, em 2010, foram reabilitadas, no país, «63 casas de família e 15 instituições de solidariedade, com o apoio voluntário de mais de 1500 jovens».

No projeto deste ano vão ser intervencionadas «sete casas de particulares e a Casa do Povo de Marmelete. O início dos trabalhos está marcado para dia 22 de abril e culminará com o dia D  a  20 de maio, onde se espera a vinda de mais de três centenas de jovens voluntários», adianta a organização.

As casas que vão ser reabilitadas vão sofrer melhoramentos na pintura, cobertura/ telhados, instalação elétrica, limpeza e, em alguns casos, vão ser construídas casas de banho.

Os materiais de construção vão ser adquiridos no concelho, sendo que a câmara municipal apoia «com toda a parte logística, refeições, transportes, técnicos especializados e apoio financeiros dos materiais», admitiu Rui André, presidente da Câmara Municipal de Monchique (CMM).

O custo das obras nas oito casas ronda os 45 mil euros, o que, segundo o edil monchiquense, «é muito positivo, porque com o mesmo dinheiro, e se fosse uma intervenção da câmara, este valor daria para intervencionar uma ou duas habitações».

Este projeto, para além da CMM,  conta com parceiros como o BPI, a Fundação Calouste Gulbenkian, a Fundação Manuel António da Mota, entre outros.

Para quem quiser ser voluntário basta contactar a CMM ou a organização do evento através do seu Facebook ou site.

 

Imagem: Facebook Just a Change

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *