Costa Rica 2016: La Paz, Todos Santos e Cabo San Lucas

Com o pretexto de visitar o Naoky, amigo que conheci em Marrocos há dez anos, desloquei-me até La Paz, capital do estado mexicano Baja Califórnia Sur, um estado muito virado para o turismo.

Embora com as nossas rotas trocadas, já que neste momento o Naoky também se encontrava em viagem, resolvi cá vir na mesma pois já tinha os voos comprados há largos meses.

Em Laz Paz fui acolhido pela Daniela, irmã do Naoky, e pela sua adorável família.

Com a zona balnear e mais turística, Malecón, na outra ponta da cidade, foi necessário percorrer uns quatro quilómetros até lá chegar, aproveitando por atravessar ruas e ruelas que habitualmente os turistas não cruzam.

Os mexicanos são também eles um povo acolhedor e com o qual é fácil iniciar uma conversa descomprometida. Este descomprometimento é maior quanto mais longe se estiver de uma zona turística. Os primeiros tacos que aqui comi foram na companhia e à conversa com pessoas genuinamente descomprometidas.

Apesar do calor e de um clima bem mais seco que na Costa Rica, deu para passear um pouco, sendo o passeio interrompido à tarde por uma valente chuvada que caiu meio repentinamente. Malecón, onde me encontrava, ficou bastante inundada. Curioso foi me aperceber de que a chuva não caiu em toda a cidade e na zona onde vive a Daniela nem sequer tinha chovido.

Para apanhar o autocarro das seis da manhã foi necessário acordar bem cedo para depois percorrer toda a cidade ainda de noite até Malecón, onde fica o terminal rodoviário. Fui “escoltado” por uma viatura da polícia que se cruzou comigo várias vezes e que zelaram pela minha segurança.

De La Paz segui até Todos Santos, pacata vila conhecida como Pueblo Mágico, adotada por muitos artistas e surfistas. É nesta localidade que o Naoky reside e percebe-se as razões da sua escolha, não só como sendo um destino de surf, mas um local muito agradável para se viver.

Toda esta região tem muitas influências dos cidadãos dos Estados Unidos da América que faz muito tempo que a elegeram como destino de férias e até de residência, sendo alguns deles bem conhecidos.

O seu hotel mais famoso chama-se California e diz-se ter servido de inspiração à famosa música dos Eagles.

Se La Paz é banhada pelo Golfo da Califórnia, Todos Santos é já oceano Pacífico e as praias notam-se que são perigosas a ponto de ser arriscado caminhar junto à água, pois o mar tem uma força imensa.

Bem diferente de Todos Santos é Cabo San Lucas, cravejada de turistas, dos mais variados estratos sociais.

Tentando visitar a formação rochosa muito famosa por estas bandas, o El Arco, segui um caminho pedregoso e desemboquei na Playa del Amor que estava praticamente deserta. Apenas mais três turistas aqui chegaram ao mesmo tempo que eu, mas depressa se foram embora.

Esta é uma forma pouco usual de visitar o El Arco que ficando no extremo do cabo Land´s End, não se consegue ver da Playa del Amor. A maioria dos turistas visitam-no apressadamente de barco, barcos que quase se atropelam numa jornada desenfreada.

O regresso foi junto à água já que deste lado o mar é mais tranquilo que do outro lado do cabo. Apesar do mar dar tréguas, este regresso implicou algumas sessões de escalada de rochas e também ainda tive de molhar os pés e as sapatilhas. Apesar de tudo, foi muito agradável, tendo avistado no caminho um grupo de pelicanos pousados nas rochas.

Em Cabo San Lucas fiz ainda um dia de praia, um bocado de manhã, sem grandes abusos já que o sol aqui é mesmo muito forte e o final do dia foi também ele passado na praia, já de forma muito mais agradável, sem estar a torrar.

Esta última semana foi passada sem correr, mas ainda assim não dei muito descanso ao meu pé que me dói há coisa de um mês.

(continua)

Legenda da fotografia: La Paz

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *