Governo lança programa Algarve Cultural para combater sazonalidade

O governo lançou, no passado dia 7 de agosto, no Centro Ciência Viva de Lagos, o programa Algarve Cultural, focado na valorização artística e na promoção turística do Algarve e que pretende reforçar e qualificar a programação cultural da região entre outubro de 2016 e maio de 2017.
Este é um projeto conjunto do Ministério da Economia (com a Secretaria de Estado do Turismo) e o Ministério da Cultura e conta ainda com o apoio do Turismo de Portugal e de agentes culturais locais.

O objetivo do programa passa por «aumentar o interesse da oferta turística e cultural no Algarve nos meses das épocas média e baixa e assegurar um calendário de iniciativas que possa garantir atração de turistas, nacionais e internacionais, durante todo o ano». O projeto assenta no encontro entre o património – natural e edificado – e a criação artística, passando da música ao teatro e cinema e das artes visuais à dança.

O financiamento de 1,5 milhões de euros será suportado, na íntegra, pelo Turismo de Portugal.

O programa Algarve Cultural baseia-se em nove linhas programáticas: «Arte e paisagem», «Festa e tradição», «Gentes que nos inspiram», «Música, espaços e paladares», «Músicas, espaços e tempos», «Pensar o território», «Território e fronteiras», «Território e memória» e «Território, criação e transformação».

Durante os sete meses em que se desenvolve o projeto prevê-se a realização de inúmeros acontecimentos, por todo o Algarve, nomeadamente, o 1.º Festival Internacional de Piano do Algarve, em Lagoa, e o regresso do FIMA – Festival Internacional de Música no Algarve, ambos inseridos na temática «Música, Espaços e Tempos».

Para Monchique estão previstas duas atividades. Em dezembro, a Lyrical White Christmas with Tenor Carlos Guilherme e nos meses de outubro e maio, a passagem do Ciclo Guitarras & Património num dos pólos museológicos do concelho. Estes dois eventos inserem-se na temática Música, Espaços e Tempos.

O espetáculo LAVRAR O MAR – as artes no alto da serra e na costa vicentina vai decorrer nos concelhos de Monchique e Aljezur nos meses de novembro, março e maio e está inserido na temática do Território, Criação e Construção.

Segundo o Ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, «para o Governo a Cultura é um ativo transversal a todas as áreas de governação, nesse sentido é essencial promover projetos em parceria interministerial, e entre governo e autarquias, que nos permitam valorizar as artes, a vida cultural e o património, material e imaterial, e através delas promover a imagem de uma região e do país.»

«Cultura e Turismo são duas áreas que se potenciam mutuamente e que em conjunto conseguem criar projetos sustentados, distintivos, mais participados e que operam mudanças efetivas na vida das pessoas», acrescenta.

Já Miguel Honrado, Secretário de Estado da Cultura, assegura que «o programa Algarve Cultural é sem dúvida a materialização de um enorme trabalho de diálogo, não só entre os parceiros organizadores, mas também com os agentes culturais locais, públicos e privados. É um projeto que parte da região para o mundo, que valoriza a identidade cultural do Algarve incentivando a criação e a promoção de artistas e de estruturas de toda a região e que, com eles, cria uma oferta cultural concertada, muito diversificada e alargada ao longo do ano».

Para a Secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, «este programa é a resposta à necessidade de um Algarve com vida e atividades culturais e de lazer durante todo o ano, com um programa de qualidade, variado e regular. Este é um dos fatores que pode ajudar a reduzir a sazonalidade, que contribui de uma forma muito positiva para a sustentabilidade turística na época baixa, fidelizando a procura existente e captando nova procura».

Também Luís Araújo, Presidente do Turismo de Portugal, defende que «o Algarve deve ser vivido 365 dias por ano. E este programa é a prova disso, o turismo e a cultura unem agora sinergias na qualificação, diversificação e diferenciação da oferta cultural do território estimulando a venda do destino de forma mais eficaz, potenciando o enriquecimento da experiência dos turistas no território».

A Coordenadora da Programação, Dália Paulo, admite que «este é um programa que nasce de uma ideia feliz e necessária de diálogo entre a cultura e o turismo, sendo inovador pela forma como lança o desafio aos agentes culturais e criativos do território para construir uma oferta cultural de qualidade baseada nos valores identitários e, assim, criar uma experiência única e diferenciadora, que proporcionará aos visitantes uma imersão e descoberta por criações, lugares, emoções e estórias e aos residentes um reforço da imagem positiva da região, para mostrar que há vida e cultura no Algarve todo o ano.»

Desidério Silva, Presidente da Região de Turismo do Algarve, afirma ainda: «Como há muito tempo tenho vindo a insistir, o turismo algarvio tem de ter sustentabilidade durante todo o ano. O programa Algarve Cultural traduz o reforço da criação artística e da oferta cultural da região e permitirá também, seguramente, a valorização dos agentes culturais locais. Este programa é fruto da união e vontade de várias entidades, públicas e privadas, para que tenhamos na região um nível de visitantes mais constante ao longo de todo o ano. O contributo de todos em prol da valorização cultural e turística do Algarve será sempre bem-vindo e nunca será demais. Juntos queremos construir uma oferta ainda mais qualificada e consistente que ajude a solidificar a região como destino turístico e cultural moderno e com futuro.»

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *