Fluxos e movimentos de passageiros aumentaram nos transportes e vias do Algarve

O 3.º trimentre de 2015 registou um aumento no volume de passageiros movimentados no Aeroporto Internacional de Faro (AIF), bem como a consolidação do tráfego na A2 e na A22 e nos meios ferroviários, principalmente nas ligações de longo curso, adianta a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Algarve (CCDR), em nota de imprensa.

O AIF recebeu 16.806 voos e 2.632.667 passageiros (movimento comercial), pelo que, relativamente ao trimestre homólogo anterior, aumentou 1,6% quanto ao número de voos e 4,2%, quanto ao movimento de passageiros, constituindo «a sexta variação trimestral homóloga positiva consecutiva», e significando «também que, vencidos 3/4 do ano de 2015, o valor para este ano é já superior em 3,2% ao valor de idêntico período de 2014», acrescenta a mesma fonte.

Neste trimestre, o AIF movimentou um total de 117.536 passageiros, valor que corresponde a 4,5 % do total do movimento de passageiros no trimestre, pelo que, comparativamente com o trimestre homólogo do ano anterior, regista-se um aumento de 7,8% no movimento dos aeroportos nacionais.

Relativamente ao modo fluvial/marítimo há a registar um movimento de 1.565.667 passageiros nas carreiras da Ria Formosa – o que corresponde a um aumento de 5,8% e um movimento de 63.067 passageiros na carreira do Guadiana (Vila Real de Santo António/ Ayamonte) – que corresponde a um aumento de 4,3%, relativamente ao trimestre homólogo anterior.

O serviço regional do modo ferroviário (Lagos – V. R. Santo António) transportou 473.554 passageiros, registando um acréscimo de 1,9% e o serviço de longo curso (ligações dos serviços Alfa e Intercidades) movimentou um total de 265.181 passageiros, originando um acréscimo de 11,1% em relação ao mesmo período do ano anterior. Em ambos os serviços destaca-se, de novo, a continuidade iniciada no 3.º trimestre de 2013, sendo este já o nono trimestre consecutivo de variações homólogas positivas.

Quanto ao Tráfego Médio Diário (TMD) nos eixos rodoviários principais destaca-se, relativamente ao mesmo período anterior, um aumento de 9,3% no troço da A2 – Almodôvar/ S. B. Messines – (16.984 veículos) e um aumento de 10,6% na A22 (16.537 veículos). Em relação ao tráfego na Ponte Internacional do Guadiana, não é ainda possível apresentar os respetivos TMD.

«Também neste trimestre, para ambas as vias estruturantes (A2 e A22), os sinais de recuperação consolidam-se. São já nove trimestres consecutivos de variações positivas (séries iniciadas no 3.º trimestre de 2012)».

Nos eixos rodoviários secundários regista-se um decréscimo de 1,2% no troço do IC1 (S. B. de Messines / Tunes), paralelo à A2 (8.750 veículos); um aumento de 5% no troço da N125 (S. J. Venda / Nó da A22 – Faro), com 50.978 veículos; um acréscimo de 3,4% no troço da N125 (Odiáxere/ Estômbar), com 26.629 veículos e um aumento de 4,9% no troço da N125 (Tavira/ Olhão – Acesso à A22), com 22.452 veículos. Nos restantes dois pontos de contagem registou-se um aumento de 6,1% no troço da N120 (Odeceixe/ Aljezur), com 5.701 veículos; e um acréscimo de 0,2% no troço da R270 (S. B. de Alportel/ Sta. C. Fonte do Bispo), com 2.891 veículos. Relativamente ao troço da N122 (Mértola/ Sta. Marta), a Estradas de Portugal, SA informa que, «por motivos de avaria do equipamento, ainda não é possível apresentar os valores para os TMD deste trimestre».

«Como nota positiva, destaca-se o facto de, com exceção do TMD no IC1, todos os restantes, quer dos eixos principais, quer dos eixos secundários, apresentarem crescimentos em relação ao trimestre homólogo anterior», confirma a CCDR

Quanto ao movimento de passageiros no transporte coletivo rodoviário houve uma diminuição de 3,5% no movimento das ligações urbanas (1.215.421 passageiros); de 5,3% no movimento das ligações interurbanas (1.111.848 passageiros) e de 1,4% no movimento das ligações internacionais (carreira Lagos – Sevilha), com 13.477 passageiros. Neste âmbito, apenas as ligações inter-regionais (346.635 passageiros) sofreram um aumento de 3,9%.

A CCDR salienta ainda que os «principais destaques neste modo de transporte são : a) a interrupção do aumento do volume de passageiros nas ligações urbanas, que levava já quatro trimestres consecutivos de variações trimestrais homólogas positivas; b) a sexta variação trimestral homóloga positiva consecutiva no movimento das carreiras inter-regionais; c) o regresso aos valores negativos nas carreiras interurbanas».

 

Foto: Circular de Loulé