Ex-vice presidente da CMM condenado a cinco anos de pena suspensa

António Mira, ex-vice presidente da Câmara Municipal de Monchique (CMM) foi, ontem, dia 5 de maio, condenado pelo Tribunal de Portimão, a uma pena suspensa de 5 anos de prisão e a uma multa de seis mil euros por sete crimes de peculato e quatro de falsificação de documentos.

Segundo avança o Sul Informação, «o Tribunal deu como provados os crimes de que o ex-vereador vinha acusado», os quais foram «praticados entre 2004 e 2009, quando António Mira, que era o número dois do executivo liderado por Carlos Tuta, era o responsável pelo pelouro financeiro da autarquia de Monchique».

No decorrer do julgamento, António Mira admitiu ter adulterado documentos, alegando que o dinheiro obtido não foi utilizado em proveito próprio mas para efetuar «pagamentos de horas extraordinárias e férias a alguns funcionários, após os incêndios de 2003 e 2004», adianta o mesmo jornal.

O ex-autarca socialista pode, no entanto, ficar suspenso da pena decretada caso pague uma indemnização de 332 mil euros, acrescidos de juros, no prazo de quatro anos, à Câmara de Monchique, mas «deverá ainda recorrer da sentença», acrescenta o Sul Informação.

Após a leitura da sentença, Rui André, atual presidente da CMM, declarou à mesma publicação que «o Tribunal dá como provado que a verba foi retirada e que essa verba tem que ser devolvida. Para nós, o mais importante é que o Município seja ressarcido».