«Elos de Esperança» enaltece Dia Internacional do Voluntariado

Comemora-se a 5 de dezembro o Dia Internacional do Voluntariado que nasceu de uma resolução das Nações Unidas datada de 17 de dezembro de 1985.
O trabalho voluntário é um tema que está presente em todos os dias da nossa vida, como compromisso que é assumido livremente por nós, cujo objetivo é ajudar pessoas em dificuldade, melhorando a sua qualidade de vida.
O que leva um voluntário a dedicar a sua vida ao próximo é, em primeiro lugar, o impulso inato no coração que impele cada ser humano a ajudar o outro. O voluntário sente uma alegria que é muito maior que a ação realizada, quando consegue oferecer algo de si próprio, gratuitamente, ao outro.
Precisamente por isto, o voluntariado constitui um fator peculiar de humanização graças às diversas formas de solidariedade e de serviço que promove e caracteriza e torna a sociedade mais atenta à dignidade do Homem. O voluntariado faz a experiência de que, só através da dedicação ao próximo, a criatura humana se realiza plenamente a si mesmo.
Cada voluntário doa a sua energia e criatividade, mas ganha, em troca, contato humano, convivência com pessoas diferentes, oportunidade de vivenciar outras situações, de aprender coisas novas e ter a satisfação de se sentir útil. Como diz John Ruskin «a maior recompensa do nosso trabalho não é o que nos pagam por ele, mas aquilo em que ele nos transforma».
Na nossa associação «Elos de Esperança» – voluntariado no CHA- Unidade de Portimão- , de janeiro a outubro de 2015, os 106 voluntários que dão o seu tempo, totalizaram 20 996 horas de trabalho ativo, tentando sempre, como diz Madre Teresa de Calcutá, «não permitir que alguém saia da nossa presença sem se sentir melhor e mais feliz».
Não devemos esquecer que a dor dividida é metade de um sofrimento, mas a felicidade, quando compartilhada, multiplica-se.
O Papa Francisco diz-nos ainda que o tempo gasto junto do doente é um tempo santo. Na sua mensagem «Sabedoria do Coração» ele elogia quem se dedica ao doente de forma incondicional e, nesse sentido, afirma que a sabedoria do coração é sair de si ao encontro do irmão, ser solidário com ele.
Em nome da Associação, que represento, quero deixar aqui o reconhecimento a quem dá tanto de si e do seu tempo em troca de nada. Ou tão só de um sorriso. Um sorriso de alegria, não proporcionando apenas cuidados, mas também o coração.
É graças ao trabalho de todos que os objetivos do nosso projeto se concretizam no dia-a-dia.

Autor: Maria Fernanda Cabral Teixeira