Diário da Agricultura e Pescas – 6 de novembro de 2019

Danos provocados por javalis na região centro mostram “situação descontrolada”, denuncia a Confederação Nacional da Agricultura portuguesa

Fonte: expresso.pt/Lusa

Face aos prejuízos causados pelos javalis a Confederação Nacional de Agricultura refere em comunicado que “centenas de pequenos e médios agricultores têm sido obrigados a deixar de produzir, o que também prejudica a produção regional e nacional. Ao mesmo tempo registam-se frequentes acidentes rodoviários causados pelos animais que atravessam as vias”. A situação parece ser mais grave na região Centro, embora também seja frequente no sul de Portugal.

Face aos prejuízos causados pelos javalis a CNA reafirma que a situação “continua fora de controlo” e defende “a atribuição de indemnizações pelos prejuízos e o controlo sanitário e do número das populações destes animais”, uma vez que o ICNF recebe mais de 11 milhões de euros por ano das zonas de caça e das licenças dos caçadores”, não tendo ainda sido revelado o relatório de um estudo sobre as populações de javalis prometido para 30 de setembro.

 

99,8% dos portugueses come carne e peixe, revela a Associação Portuguesa dos Industriais de Alimentos Compostos para Animais

Fonte: vidarural.pt

A Associação Portuguesa dos Industriais de Alimentos Compostos para Animais divulgou um estudo que indica que 99,8% dos portugueses come carne e peixe. Mas “de uma forma geral, existe falta de conhecimentos sobre o setor que fabrica a alimentação dos animais”, diz esta associação. O peixe é consumido com menor frequência, embora estejam também em maioria (72%) aqueles que o consomem mais do que uma vez por semana.

Os resultados mostram também que 77% dos portugueses considera que a produção de alimentos para animais é uma atividade relevante para Portugal em termos socioeconómicos. “43% considera ainda que a alimentação dos animais tem impacto na alimentação humana e 85% gostaria de ter mais informação sobre este tema”.

Há ainda 10% dos portugueses que afirmam já ter ponderado ter uma alimentação exclusivamente vegetariana ou vegan e quando questionados acerca do impacto da alimentação animal no ambiente, a maioria (76%) das pessoas não sabe que este setor recicla uma percentagem relevante de coprodutos derivados da alimentação humana, mas considera que é importante reduzir a pegada ambiental do mesmo (77%).

 

Exportações de frutas e legumes nacionais cresceram 9% e deverão chegar aos 1.650 milhões de euros este ano

Fonte: jornaleconomico.sapo.pt

De acordo com Associação para a Promoção das Frutas, Legumes e Flores de Portugal  as exportações nacionais de frutas e legumes aumentaram mais 9% e cifraram-se em 1.015 milhões de euros nos primeiros oito meses deste ano.

O principal mercado de destino é Espanha, onde as exportações do setor cresceram 6% nos primeiros oito meses deste ano, em comparação com o período homólogo de 2018, representando para Portugal 30% do total de exportações de frutas e legumes.

Além de Espanha, nos primeiros oito meses deste ano, as exportações de frutas e legumes nacionais dirigiram-se para França, Holanda, Reino Unido e Alemanha.

Para além das maçãs e peras regista-se uma crescente expressão dos pequenos frutos. Para o presidente da Associação para a Promoção das Frutas, Legumes e Flores de Portugal , que representa mais de 4500 produtores, “não podemos concorrer com a quantidade dos nossos concorrentes, mas podemos concorrer com qualidade, por causa da nossa exposição ao Atlântico, que também nos permite ter produção ao longo de mais meses no ano”.

Refira-se, por último que aquela associação esteve presente em Outubro numa Feira de Promoção de frutas e legumes realizada em Madrid, Espanha.

 

*Artigo publicado em parceria com a Rádio Foia. O programa «Diário da Agricultura e Pescas» está no ar de segunda a sexta-feira às 7h00 e às 21h00

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *