Diário da Agricultura e Pescas – 25 de novembro de 2019

Nova doença está a atacar os castanheiros em Portugal

Fonte: Vida Rural

Os castanheiros, em Portugal, enfrentam um fungo, “Gnomoniopsis castanea”, que apodrece a castanha. A doença é conhecida popularmente por “podridão da castanha” e foi detetada há cerca de dez anos em alguns países da Europa, como Itália e França. Em Portugal, atingiu especial evidência em 2019.

“Muito pouco ainda se sabe sobre a biologia do fungo, que provoca a podridão da castanha, bem como as formas de tratamento, mas sabe-se que os prejuízos causados podem chegar aos 80 a 90%”, explica José Gomes Laranjo, docente e investigador da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD).

Este investigador adiantou, também, que “não estão ainda testados produtos químicos para o tratamento, no entanto julga-se que a limpeza dos ouriços, castanhas de refugo e folhagem no outono dos soutos possa limitar os ataques do próximo ano, sabendo-se também que os tratamentos em armazém com ozono têm dado resultados positivos”.

 

Ministra da Agricultura tudo fará para «para alcançar um acordo político sobre a PAC»

A Ministra da Agricultura, Maria do Céu Albuquerque, participou no Conselho Europeu de Agricultura e Pescas, em Bruxelas, com o objetivo de discutir o pacote de reforma da Política Agrícola Comum (PAC) pós-2020, onde destacou a necessidade de reforço do orçamento da PAC e a necessidade de uma maior convergência externa dos pagamentos diretos bem como a necessidade de ser garantida a possibilidade de transição de projetos de investimento».

Durante o Conselho de Ministros Europeu foi ainda defendida a introdução de medida específicas para o setor do mel, nomeadamente através de programas de promoção e da defesa do estabelecimento de um regime de rotulagem de origem.

 

GNR apreende mais de duas centenas de quilos de moluscos por falta de rastreio

Fonte: Agricultura e Mar Atual

A GNR — Guarda Nacional Republicana informa que a Unidade de Controlo Costeiro, através do Sub-destacamento de Controlo Costeiro de Aveiro, apreendeu, no dia 14 de novembro, na localidade de Ovar, 156 quilos de ameijoa japonesa, 101 quilos de berbigão, e 20 quilos de ameijoa boa, por falta de rastreio.

A GNR relembra que a captura, depósito e expedição deste tipo de bivalves, sem que sejam sujeitos a depuração ou ao controlo higiossanitário, pode colocar em causa a saúde pública, caso sejam introduzidas no consumo, devido à possível contaminação com toxinas, sendo o documento comprovativo da origem fundamental para a prevenção da introdução de forma irregular no consumo.

No âmbito de uma operação de fiscalização ao transporte de moluscos bivalves vivos, foi detetado um homem que fazia o transporte dos bivalves sem ser portador dos documentos necessários para a sua entrada no circuito comercial, tendo sido elaborado o respetivo auto de contra-ordenação, cuja coima pode atingir o valor de 3.740 euros.

 

*Artigo publicado em parceria com a Rádio Foia. O programa «Diário da Agricultura e Pescas» está no ar de segunda a sexta-feira às 7h00 e às 21h00

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *