Diário da Agricultura e Pescas – 21 de novembro de 2019

ASAE apreendeu 15 toneladas de mel devido a má rotulagem

Fonte: Agricultura e Mar Atual

A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) apreendeu 15 toneladas de mel em Ponte da Barca. O produto destinava-se à exportação e estava rotulado como “Produto Portugal”. No entanto, a ASAE suspeita de fraude, podendo o mel ter “origem diversa fora do território nacional”.

A apreensão de mel surgiu na sequência de uma ação de investigação através da Unidade Regional do Norte – Unidade de Mirandela dirigida a uma unidade de extração e processamento de mel, do concelho de Ponte da Barca, na qual a ASAE realizou uma ação de fiscalização tendo resultado na apreensão de 15 toneladas de mel por “suspeita de fraude sobre mercadorias e contra a genuinidade, qualidade ou composição de géneros alimentícios”.

Segundo um comunicado da Autoridade de Segurança Alimentar e Económica, “o mel apreendido destinado à exportação encontrava-se rotulado com referência à origem em Portugal – “Produto Portugal”, mas na realidade suspeita-se ter origem diversa fora do território nacional, tendo sido colhidas amostras para serem sujeitas a análises químicas e organoléticas”.

O valor de mercado desta apreensão de mel cifra-se em cerca de 45 mil euros, acrescenta o mesmo comunicado.

 

Ministério do Mar definiu como prioridades a energia, a aquacultura e sustentabilidade das pescas 

Fonte: Agricultura e Mar Atual

As energias renováveis produzidas no mar ou a partir dele, a aquacultura, nomeadamente de algas, as áreas marinhas protegidas e a sustentabilidade das pescas são as prioridades do Governo para a área do mar, disse o ministro desta pasta governativa em Faro.

Portugal deve ainda contribuir “para a governação dos oceanos a nível global”, disse o ministro do mar tendo ainda destacado a produção de algas considerando que são uma produção de futuro e com pouco impacto nas alterações climáticas”.

Para o ministério do mar a investigação marinha vai continuar a ser um investimento do País, e recentemente foi publicado um estudo sobre a produção internacional de investigação marinha, que coloca Portugal em lugar de topo a nível europeu.

O Ministro do Mar afirmou ainda que as compensações aos pescadores devem continuar  “até porque, se a sustentabilidade dos recursos é importante, também o é o das comunidades piscatórias”.

 

Produtores portugueses já podem exportar bovinos para o Qatar

Fonte: Agricultura e Mar Atual

O Ministério da Agricultura informa que os produtores portugueses já podem exportar bovinos para o Qatar, uma vez que “estão estabelecidas as condições sanitárias”.

Nas Direções de Serviços de Alimentação e Veterinária Regionais/Regiões Autónomas (DSAVR/RA) está já disponível a certificação sanitária oficial a emitir no contexto.

Recorde-se que em 2012, Portugal mostrou o interesse nesta exportação. Após demoradas negociações, foi obtida, no final de outubro de 2019, a aprovação da certificação sanitária aplicável por parte das autoridades oficiais daquele país..

São cada vez mais as oportunidades de negócio para as empresas portuguesas no Qatar. O Ministério da Agricultura, em 2018, desbloqueou a interdição de exportação de carne de bovino para o Qatar e em abril de 2019 semana anunciou que aquele mercado está também aberto para os exportadores de batata.

 

*Artigo publicado em parceria com a Rádio Foia. O programa «Diário da Agricultura e Pescas» está no ar de segunda a sexta-feira às 7h00 e às 21h00

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *