Diário da Agricultura e Pescas – 10 de outubro de 2019

 

Confirmada a presença de Xylella fastidiosa em 30 municípios da região

A Xylella fastidiosa (Xf) é uma bactéria que habita nos canais por onde circula a seiva bruta das plantas. As plantas infetadas com esta bactéria apresentam os canais de circulação da seiva contaminados e daí podem resultar doenças, algumas com um impacto económico relevante.

De acordo com notícia editada pela revista Vida Rural, a Comunidade Valenciana, em Espanha, já confirmou a presença de Xylella fastidiosa em 30 municípios da região, num total de 181 novos casos positivos.

A Direção-Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV) realça que esta bactéria não constitui risco para pessoas e animais. A Xylella fastidiosa, para além de plantas ornamentais, pode devastar importantes culturas, tais como, olivais, amendoeiras, vinhas e citrinos.

A Autoridade Europeia para a Segurança Alimentar informa que ainda não há cura para a bactéria que está a devastar, sobretudo, olivais um pouco por toda a Europa.

Em Portugal, o ministério da Agricultura anunciou em março o lançamento de um concurso financiado pelo Programa de Desenvolvimento Rural para apoiar, com um montante de dois milhões de euros, investimentos em viveiros para prevenção da contaminação pela bactéria Xylella fastidiosa.

 

Microplásticos foram encontrados em pinguins da Antártida

Uma equipa de investigadores da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra encontrou, pela primeira vez, microplásticos em pinguins da Antártida, confirmando que este tipo de poluição já entrou na cadeia alimentar marinha.

Ao analisarem a dieta de pinguins gentoo Pygocelis papua em duas regiões da Antártida, os investigadores observaram que 20% das 80 amostras de fezes das aves continham de diversas tipologias, formas e cores, o que indica uma grande variedade de possíveis fontes destes microplásticos.

Um investigador do Departamento de Ciências da Vida da universidade de Coimbra refere que “esta descoberta é de muita importância para desenvolver novas medidas para reduzir a poluição na Antártida, particularmente relacionada com plásticos, podendo servir de exemplo para outras regiões do mundo”.

 

Concluído acordo fitossanitário com as autoridades chinesas para a exportação de uva de mesa produzida em Portugal para a China
Fonte: dgv.min-agricultura.pt

A Direcção geral de alimentação e veterinária informa que foi concluído o acordo fitossanitário com as autoridades chinesas para a exportação de uva de mesa produzida em Portugal para a China, face aos resultados positivos obtidos na missão de auditoria da China a Portugal que decorreu no inicio de agosto do presente ano.

Pode assim ser dado inicio à exportação desta fruta desde que cumpridos todos os requisitos fitossanitários acordados entre as autoridades fitossanitárias nacionais e chinesas. E estes requisitos incluem o registo oficial dos campos de produção, nos quais terão quer ser aplicados meios de controlo e de prevenção para as pragas e doenças constantes no plano, assim como o registo oficial obrigatório das centrais embaladoras, também sujeitas a medidas especificas de controlo. Os interessados neste mercado devem constatar a DGAV ou as Direções Regionais de Agricultura e Pescas.

Artigo publicado em parceria com a Rádio Fóia. O programa «Diário da Agricultura e Pescas» está no ar de segunda a sexta-feira  às 7h00 e às 21h00

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *