Devo colocar o fio dentário no lixo?!

Todas as pessoas que tenham ido ao médico dentista ou estomatologista, pelo menos uma vez na vida, terão ouvido insistentemente que deveriam usar o fio dentário diariamente. Apesar disto, é sabido que poucos o fazem.

Recentemente foi amplamente difundida na comunicação social e nas redes sociais a futilidade do uso do fio dentário. Isto representa uma excelente notícia para quase todos nós, que raramente seguem o conselho médico de uso diário e que nos sentimos culpados cada vez que nos lembramos de que não o fazemos com a frequência que deveríamos. Mas antes de deitar fora o fio dentário, peço-lhe que leia até ao fim…

Qual a evidência científica atual para o uso do fio dentário? Previne a cárie dentária e a doença periodontal (doenças das gengivas)? Deveremos continuar a usá-lo?
Identifico na literatura científica duas revisões sistemáticas publicadas em revistas de referência, sendo que uma se foca na prevenção da cárie dentária, e a outra na prevenção da doença periodontal.

[Nota: As revisões sistemáticas têm como objetivo reunir e analisar criticamente múltiplos estudos, utilizando para análise e conclusão aqueles que cumprem critérios de qualidade científica muito exigentes.]

PREVENÇÃO DE CÁRIE DENTÁRIA
A escovagem dentária não consegue abranger as faces interproximais (áreas dos dentes em que os dentes contactam mutuamente), logo parece lógico que o uso de fio dentário colmate esta falha da escovagem.

No referido artigo, ao analisar vários estudos, conclui-se que o uso de fio dentário reduz o risco de cárie interproximal em 40%, se esta for realizada diariamente por um profissional de saúde oral, o que logicamente não é praticável. Se esta for realizada pelo próprio, é mais provável que não se demonstre eficaz. Pode-se discutir amplamente estes resultados, mas a explicação breve para esta conclusão é de que apesar do uso de fio dentário poder ser potencialmente eficaz na prevenção de cárie interproximal, as pessoas não a realizam de forma adequada, quer em termos de frequência ou de qualidade técnica.

PREVENÇÃO DE DOENÇA PERIODONTAL
Sendo a doença periodontal resultado da acumulação de placa bacteriana em contacto com a gengiva e sabendo que cerca de metade da margem gengival não é abrangida eficazmente pela escovagem, parece novamente lógico que o uso de fio dentário reduza significativamente a patologia periodontal.

Na revisão referida concluiu-se que, apesar da redução de placa bacteriana não ser tão significativa como esperada, existe efetivamente uma redução da inflamação gengival.

Embora a periodontite (doença periodontal que conduz a danos irreversíveis da gengiva e possivelmente a perda dos dentes) não tenha sido concretamente estudada, sabendo que esta é normalmente antecedida de gengivite, penso que na falta de melhor evidência científica, poderemos extrapolar e concluir que o uso de fio dentário resultará eventualmente numa redução da periodontite.

CONCLUSÃO
Não existe evidência científica de que o uso de fio dentário resulte inequivocamente numa redução de cárie dentária e de periodontite.

MAS, se for capaz de aproximar a sua qualidade técnica da de um médico dentista, talvez obtenha redução do risco de cárie. E, se reduz a inflamação gengival, provavelmente também reduzirá a periodontite. Adicionalmente, não existe qualquer evidência de que possa ser prejudicial!

Não menos importante, se reduz o risco de gengivite, reduzirá garantidamente a halitose (mau hálito!

O MEU CONSELHO MÉDICO:
– Alimentação saudável (com redução de aporte de açúcar)

– Evitar os petiscos frequentes

– Escovagem três vezes por dia (obrigatória antes de deitar)

– Uso de fio dentário (pergunte ao seu médico dentista como melhorar a técnica…)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *