Como vê o concelho de Monchique daqui a quatro anos? – Câmara Municipal de Monchique

O Jornal de Monchique foi questionar apenas com a pergunta «Como vê o concelho de Monchique daqui a quatro anos?» os candidatos à Câmara Municipal de Monchique. As respostas, entregues por escrito, apresentam-se pela ordem dos boletins de voto.

Apesar da lista da coligação Unidos por Monchique (CDS-PP e PPM) ter sido entregue, a candidatura não foi homologada pelo tribunal .

 

20638653_218188048707935_4823253590784171411_nCidadãos por Monchique (CPM)

João Vairinhos Duarte  44 anos­‌ ­l Engenheiro - Ramo Mecânica
João Vairinhos Duarte
44 anos­‌ ­l Engenheiro – Ramo Mecânica

Definimos como pilares prioritários da ação:
Emprego e competitividade sustentável e responsável;
Coesão social;
Gestão municipal;
Revitalização urbana.
É segundo estes pilares estruturantes que apresentamos o nosso compromisso com os monchiquenses.
A criação de emprego e a fixação dos jovens que procuram o primeiro emprego, seja ele auto emprego ou por conta de outrem, constitui um dos eixos prioritários do programa dos Cidadãos por Monchique para o nosso concelho.
Monchique tem visto os seus jovens, e menos jovens, sair do concelho à procura de empregos porque não veem satisfeitas as suas legítimas expetativas profissionais ou, simplesmente, porque não há oferta de emprego, fruto de um contexto económico adverso e da falta de uma estratégia para a dinamização económica do concelho.
Não foi promovida a criação de emprego no concelho, há uma diminuição da atividade económica e há falta de dinâmica de Monchique face aos concelhos vizinhos.
A autarquia não tem mecanismos de resolução direta do problema do desemprego, no entanto, deve ser dinamizadora da criação de emprego e competitividade sustentável e responsável, proporcionando condições para a instalação de novas indústrias e serviços.
O setor agrícola, florestal e agro-alimentar exige um trabalho estruturado e sistemático para que Monchique se desenvolva de uma forma sustentada, com qualidade ambiental, de modo a criar mais riqueza e mais emprego.
No que diz respeito à serra de Monchique reconhece-se a necessidade de um longo trabalho a fazer, elaborar um Plano de Turismo para Monchique, com o levantamento do seu potencial de desenvolvimento, definição de produtos, articulação de serviços, definição de instrumentos de monitorização, controle e gestão. Tudo isto num processo participativo e envolvendo os operadores do setor e todos os agentes que tenham intervenção na formação do produto.
O saneamento da dívida não pode ser feito à custa das pessoas e da estagnação da economia. Não se pode sanear a dívida sem apostar em simultâneo no crescimento e no desenvolvimento económico. As nossas prioridades são as pessoas e é para elas que iremos canalizar os recursos existentes. É fundamental a mobilização e motivação dos serviços e funcionários da autarquia que devem sentir orgulho em ser o rosto do município junto das populações.
Queremos que o Município de Monchique seja uma entidade pública de referência. A autarquia tem hoje um conjunto de mulheres e de homens aptos a verem reconhecidas as suas competências e a contribuírem para este desígnio.
O investimento nas pessoas, de todas as gerações, é uma marca fundamental e distintiva da gestão municipal dos Cidadãos por Monchique. A falta de alunos nas nossas escolas é um problema que devemos inverter, apostando nas pessoas e na sua formação É esta a nossa matriz, é isso que nos distingue.
Da educação ao apoio social, da cultura ao desporto, serão aprofundadas políticas e respostas direcionadas para todos.
Todos juntos somos mais fortes.

 

 

simbolopcp-pevquadradoColigação Democrática Unitária (CDU)

Ana Filipa Veiga 32 anos­‌ ­l Professora
Ana Filipa Veiga
32 anos­‌ ­l Professora

O concelho de Monchique clama por uma viragem de página! É necessário romper com políticas de direita que têm vindo a prejudicar o equilíbrio o concelho, quer a nível social, quer no impulsionamento de qualidades tão próprias desta terra. A CDU já deu provas por todo o país do seu trabalho rigoroso e honesto em prol do bem comum, sendo exemplo disso o nosso concelho vizinho de Silves.
As eternas promessas e propaganda de redes sociais não são, nem serão a forma de criar uma estreita relação entre os reais interesses e expectativas dos munícipes e uma gestão exemplar. É com responsabilidade que encaro, portanto, 4 anos de empenho no desenvolvimento do que Monchique deve representar para todo o povo e cada indivíduo particularmente.
Para tal, a defesa dos serviços públicos é uma condição que merece a melhor atenção. Os serviços municipais deverão ser um exemplo de suporte à comunidade. Do ponto de vista pessoal, a minha juventude dá-me toda a energia e determinação necessárias para levar a cabo este projeto, com um olhar no futuro, mas sempre com respeito pela nossa herança cultural e ambiental. Haverá, de certo, novas ideias, novos projetos e maior sensibilidade para um concelho que agora se vê estagnado, envelhecido e desmoralizado.
O programa que encabeço apresenta um grupo de cidadãos empenhado em fazer uma realidade deste projeto CDU, que assenta no melhor trabalho, honestidade e competência. Espera-se, por isso, uma gestão transparente e dirigida para o bem comum, que tenha contribuído para o progresso social e económico do concelho de Monchique.
Há, por isso, estes pilares sobre os quais se construirá um município em que crianças tenham as melhores oportunidades de educação, aprendizagem e desenvolvimento; em que jovens construam o seu futuro; em que adultos vejam uma obra realizada em Monchique da qual fizeram parte de forma ativa; em que idosos vejam os seus direitos defendidos. O objetivo é que toda a sociedade local se sinta parte integrante e voz ativa nesta mudança de rumo e que 4 anos nos tragam a recompensa do dever cumprido.
O desenvolvimento sustentado do território é outra base de trabalho, para a ascensão do Poder Local a níveis que se esperam superiores. Estando o concelho situado numa zona de especial riqueza e sensibilidade, ao fim de 4 anos esperar-se-á pela continuidade de um projeto CDU que terá elevado as qualidades e potencialidades de Monchique.

 

Logo_PS_Branco

Partido Socialista (PS)

Paulo Jorge Alves 46 anos­‌ ­l Bancário
Paulo Jorge Alves
46 anos­‌ ­l Bancário

Para responder à questão colocada, e antes de podermos projetar Monchique para daqui a 4 anos, devemos primeiro olhar para os últimos 8 anos.
Estes 8 anos foram marcados por uma realidade virtual que nunca se traduziu em real. Uma realidade bem diferente da anunciada no facebook e nos jornais.
Temos as nossas estradas num estado lastimável, remendadas à última da hora, buraco sim, buraco não. O equipamento e maquinaria municipal está obsoleto, um autêntico ferro velho. Os autocarros estão em fim de vida. Os equipamentos urbanos estão ao abandono, a nora e o parque da vila em redor das piscinas municipais são disso exemplo. A vila não tem uma sala polivalente que sirva para reuniões, colóquios e espetáculos mas, em contrapartida, o antigo edifício da casa do povo está a degradar-se a olhos vistos. O pavilhão multiusos, tão prometido e anunciado, nunca avançou, mas e só neste ano de 2017 foram gastos, no aluguer de tendas para as diversas feiras e festivais, aproximadamente 100.000,00€. O centro interpretativo da Fóia e o centro de proteção civil e polo de formação da escola nacional de bombeiros também não fugiram à regra. Poderia referir outros exemplos, do conhecimento de todos(as) monchiquenses.
Nada nos move contra ninguém, nem contra Rui André, nem contra os partidos ou grupos políticos existentes. O que nos move é a nossa terra, é a certeza de que é possível inverter a desertificação e o despovoamento. Que é possível devolver a esperança, despertar consciências, vencer a inércia e conseguir um futuro melhor para os residentes, para atrair investimentos e para quem nos visita. Isto sempre no respeito pelas memórias, tradições, pela natureza e pelas potencialidades da nossa terra.
Cada monchiquense deve, no próximo dia 1 de outubro, avaliar o que foi feito nos últimos 8 anos e tomar a responsabilidade de com o seu voto determinar a continuidade desta “mão cheia de nada” ou optar por uma alternativa credível que se propõe projetar um Monchique Melhor.
Daqui a 4 anos os nossos espaços públicos e espaços verdes, devem estar devidamente cuidados e ser a nossa “sala de visita”. A reabilitação urbana e a dinamização do centro da vila deverão ser visíveis. A nossa rede viária deve ter a devida atenção. O apoio sério, transparente e imparcial, às nossas associações no seu desenvolvimento e na sua ação deve ser uma realidade. A economia que nos identifica e nos singulariza, como a água, a aguardente de medronho, o mel, os enchidos, o artesanato, a gastronomia, a floresta e outros deverá sentir-se promovida e apoiada de uma forma sustentável. Deveremos ter equipamentos condignos ao serviço da população, como é o caso do pavilhão multiusos e das escolas. Os nossos jovens recém-licenciados poderão ter oportunidade de regresso, integrando-se em projetos que promovam a sua iniciativa e criatividade. Os menos jovens contarão com programas de apoio, valorização e ocupação dos tempos livres. As freguesias terão mais competências delegadas, equilibradas com a vertente financeira e humana. As relações com concelhos vizinhos serão enfatizadas, explorando-se a complementaridade, etc.
Em suma, se tivermos a confiança dos(as) monchiquenses, vejo, daqui a 4 anos, Monchique Melhor!

 

 

logo_PSD150px

Partido Social Democrata (PSD)

Rui Miguel André 42 anos­‌ ­l Professor
Rui Miguel André
42 anos­‌ ­l Professor

Com o programa com que me apresentei em 2009 totalmente concluído e executado!
Porque foi esse o compromisso que apresentámos às pessoas, um programa para 12 anos, três mandatos, que espero poder terminar, sabendo que ao fazê-lo teremos um concelho com bases sólidas de crescimento, mais justo, mais humano e mais dinâmico. Um concelho atrativo para residir e para visitar. Um concelho com melhor ambiente, com mais casas reabilitadas, com novos residentes, com mais empresas e assim mais emprego! Um concelho que tem uma câmara que paga a tempo e horas, uma câmara conhecida pela exigente gestão de recursos financeiros e que coloca sempre as pessoas em primeiro lugar.
Para além de colocarmos Monchique no mapa da boa gestão, com uma aposta clara na qualidade de vida da sua população e na estratégia de promoção turística, demos também passos fundamentais para revertermos o processo de perda de população e de esperança na economia local. A taxa de natalidade passou de 3,8% para 7,2%. Em 2016, Monchique teve um aumento de 2040% nas suas exportações, sendo mesmo o concelho do país que mais exportou! Aumentámos em muito o número de dormidas e de camas turísticas. Queremos por isso continuar, conscientes que só assim será possível elevar o concelho a um patamar de desenvolvimento integrado, assente na modernidade e no desenvolvimento da economia local e dos seus produtos de excelência.
Daqui a 4 anos, estarão já executadas as obras que estão já aprovadas e com financiamento garantido dos fundos comunitários, para as quais temos já capacidade de endividamento e os respetivos projetos e terrenos adquiridos e pagos. Estes grandes investimentos, que não se conseguem fazer com receitas próprias, estão dependentes deste Quadro Comunitário que tem estado um pouco atrasado na sua execução. Contudo, os próximos 4 anos serão muito importantes pois teremos a capacidade de executar os projetos que a população espera há décadas e que têm agora tudo para serem realidade e não meros cartazes que se colocavam em tempo de eleições para enganar o povo. Foi difícil o trabalho de preparar tudo para a sua execução, desde a capacitação financeira (própria e apoio de Bruxelas), terrenos e projetos, mas agora não acredito que algo possa parar esta dinâmica, muito menos que os monchiquenses queiram desperdiçar todo este trabalho e esforço e queiram voltar para traz.
Essencialmente, daqui a 4 anos terei um gosto especial em saber que cumpri aquilo a que me propus e que o concelho, com a estratégia e programa que executamos, tem bases sólidas de crescimento e sustentabilidade. Quero eu próprio estar muito feliz, porque na verdade, cumprindo o que prometemos, posso dizer que valeu a pena ter deixado a minha vida profissional, e em parte também a pessoal, para me dedicar de corpo e alma à minha terra e aos meus concidadãos, sabendo que sempre me apoiaram e perceberam que só com trabalho sério e honesto se consegue ganhar o futuro e que em momento algum alguém consegue fazer em 8 anos e com tantas dificuldades, aquilo que não foi feito em 28 anos com melhores condições e muito dinheiro.
Estamos no caminho certo e hoje já ninguém duvida que Monchique é uma terra de oportunidades e futuro!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *