Biblioletras de junho de 2018

Pombal acolheu a final da 12.ª edição do concurso nacional de leitura e Monchique esteve lá

A grande final da 12.ª edição do Concurso Nacional de Leitura decorreu em Pombal, no passado dia 10 de junho, e Monchique esteve lá, representado pela Beatriz Morales dos Reis, a vencedora da fase intermunicipal do distrito de Faro, na categoria do 2.º ciclo.

A Beatriz não foi selecionada para a prova de palco, mas foi uma digna representante do concelho e do distrito e continuou a investir na leitura e na preparação da sua intervenção oral até ao último minuto.

No Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, a Beatriz posou junto a uma estátua viva de Camões, envergando uma camisola onde se podia ler «Li, concorri, venci», e prestou uma excelente homenagem à língua portuguesa com o seu gosto pela leitura.

Os pais e a irmã apoiaram incondicionalmente a Beatriz nessa odisseia pelos caminhos da leitura e a viagem até Pombal, na companhia da professora bibliotecária e da bibliotecária municipal, Dra. Isabel Louro, transformou-se numa agradável viagem cultural, recreativa e literária, que passará a ser um marco no percurso escolar da nossa aluna.

 

Uma fábula para 41 alunos

A Escola Básica Manuel do Nascimento deve parecer enorme para os meninos do 1.º ciclo, habituados a uma escola bem mais pequena, com menos alunos, menos professores e um conjunto reduzido de funcionárias que são quase família. É, por isso, muito importante que o contacto com a nova escola se faça de forma faseada para que o início do ano letivo seja o mais harmonioso possível. Nesse sentido, no passado dia 7 de junho, os meninos do 4.º ano das três escolas do concelho estiveram de visita à sua futura escola, conheceram os diferentes espaços e envolveram-se num conjunto diversificado de atividades.

Na biblioteca escolar esperava-os a fábula «A Cegonha e a Tartaruga» (in Três Fábulas, de Ana Maria Magalhães e Isabel Alçada), que os meninos e as meninas ouviram com muita atenção. Seguiu-se um animado jogo de perguntas e respostas de escolha múltipla para testar a atenção/concentração dos meninos e a compreensão do texto ouvido.

Respondendo em simultâneo às questões colocadas, com recurso a cartões com as letras AB e C, os 41 alunos (salvo uma ou outra desatenção) estiveram brilhantes e acertaram quase todas as respostas.

Mas o que interessa é que, no final, todos perceberam a moral da história e as enormes vantagens que advêm da leitura.

 

Alunos do 4.º ano levaram Hans Christian Andersen à Rádio Fóia

Há mais de um século que as histórias de Hans Christian Andersen cativam leitores de todas as idades. E foi isso, precisamente, que quatro alunos do 4.º ano da Escola EB1 N.º 2 provaram aos microfones da Rádio Foia, no passado dia 7 de junho.

«A Princesa e a Ervilha» e «O Soldadinho de Chumbo» foram os contos recordados pelo Tiago Águas e pela Clara Jorge, que nos ofereceram leituras irrepreensíveis de duas das mais conhecidas histórias de Andersen, deliciando as crianças da sua idade e transportando, seguramente, os ouvintes mais crescidos para o tempo da sua infância.

Antes disso, porém, a Clara Furtado e a Anastácia Azarova, que traziam a lição muito bem preparada, recordaram quem é Hans Christian Andersen, partilhando com os ouvintes uma pormenorizada biografia deste escritor dinamarquês cujo dia de nascimento (2 de abril) foi escolhido para assinalar o Dia Internacional do Livro Infantil.

 

Da feira do livro de Lisboa para o Mundo

Tal como tinha sido avançado na última edição deste jornal, os resultados de «Miúdos a votos: quais os livros mais fixes?» foram divulgados no dia 30 de maio, na Feira do Livro de Lisboa.

Os alunos do 1.º ciclo elegeram O Tubarão na Banheira, de David Machado, como o livro mais fixe, com 7,9% dos votos; no 2.º ciclo, Harry Potter e a Pedra Filosofal, de J. K. Rowling, foi o livro mais votado, com 13,8% dos votos; no 3.º ciclo, A Culpa é das Estrelas, de John Green, voltou a ser o livro mais votado, com 10,9% dos votos.

A Carolina Morais, da turma B do 6.º ano esteve lá, na Feira do Livro, a convite da Rede de Bibliotecas Escolares, e falou em direto para a Rádio Renascença sobre o seu livro preferido, Avozinha Gângster, e sobre as ações de campanha que desenvolveu na sua escola.

A Carolina falou, encantou e foi muito aplaudida pela assistência quando, a pedido da jornalista Ana Galvão, justificou o seu favoritismo dizendo: «Este livro transmite-nos várias mensagens, como, por exemplo, que devemos aproveitar ao máximo os nossos avós, porque eles não duram para sempre».

A intervenção da Carolina aos microfones da Rádio Renascença corre, agora, o mundo nas páginas de Facebook e multiplicam-se as felicitações e as mensagens de orgulho.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *