A Feira dos Enchidos está de volta

A XXIII Feira dos Enchidos Tradicionais de Monchique realiza-se a partir das 16h00 do dia 4 de março e encerra às 21h00 do dia 6. Durante o fim de semana a animação não vai faltar e a qualidade dos enchidos vai estar presente nas três fábricas já conhecidas e nas duas cozinhas tradicionais. No certame, que pretende valorizar os produtos do concelho, vão estar ainda presentes produtores de mel, medronho, doçaria, licores, pão e artesanato.

O recinto da feira vai estar diferente, mas o concelho precisa de um pavilhão multiusos
O certame foi redefinido na organização e disposição indo «ao encontro dos produtores» e proporcionando ao visitante «um espaço mais amplo», explica Luís Grade, vereador da Câmara Municipal de Monchique e responsável pela organização. Assim, esta edição vai ter no recinto apenas produtores, pois as entidades que costumavam marcar presença foram excluídas. «O espaço tinha de mudar» devido aos muitos pedidos de «pessoas do concelho que se estão a legalizar e a licenciar», adianta o autarca que segundo afirmou ao Jornal de Monchique recebe «solicitações para participação neste certame de todo o país e que são todas indeferidas, devido à falta de espaço».
Acrescenta ainda que se sente «muito triste por ainda não dispor de um pavilhão multiusos» que «permitiria que este certame de nome nacional e que se situa nas cinco primeiras feiras que se realizam no Algarve durante o ano, mudasse e mudasse muito».
Neste momento, afirma, «temos tudo para dar o pontapé de saída, pois o terreno já está apalavrado, num local onde a câmara municipal é proprietária de um espaço contíguo». «É só uma questão de acertarmos o preço e avançarmos», no entanto, «as coisas são mais morosas do que são desejadas», mas «é adiar o inadiável».
Os custos do aluguer da tenda nestas duas décadas são elevados e além de «estamos sempre limitados», «não podemos fazer uso do pavilhão multiusos apenas como promessa nas campanhas eleitorais», conclui.
O certame  tem novidades
Para além do espaço, o certame vai contar com três dias, à semelhança do já acontece com a Feira do Presunto ou o Festival do Medronho. Esta novidade «foi solicitada pelos produtores» e tem por objetivo «aproveitar, ao máximo, o pavilhão» proporcionando aos expositores «mais rendimento e receita», salienta Luís Grade.
Outra inovação é uma área de showcooking dinamizada pela Associação de Cozinheiros e Pasteleiros do Algarve, tendo como principal foco a criação e confeção, os enchidos tradicionais.
A mostra gastronómica, que no ano anterior foi suspensa por falta de aderência dos estabelecimentos locais, volta agora, com propostas de pratos que põem em evidência os sabores e saberes, numa mistura que procura potenciar e elevar a cozinha monchiquense. Participam nesta mostra dez restaurantes: «A Charrete», «Bela Vista», «Cinzas», «Familychique», «Jardim das Oliveiras», «Luar da Fóia», «O Parque», «Palmeirinha dos Chorões», «Paraíso da Montanha» e «Teresinha».

Animação de manhã à noite
O certame arranca com a atuação do Grupo Folclórico Amigos de Montenegro, às 21h30, de sexta-feira.
No sábado, a partir das 10h30, vão decorrer demonstrações de karaté, pela Academia de Karaté de Monchique e de ginástica rítmica pelas atletas do Clube Desportivo e Cultural da Nave. O grupo Átoa encerra o segundo dia de feira, com um concerto às 21h30.
João Pedro Pais marca as atuações do domingo, com um concerto às 18h00. Durante o fim de semana o Grupo de Concertinas da Sertã vai proporcionar diversos momentos musicais ao circular pelo recinto.r

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *